terça-feira, fevereiro 02, 2010

Ténue Linha do Amor

Desafio "Velhice" - Fábrica de Letras

Encontrei um coração, estava a chorar.
Perdera o amor que acabara de achar.
Levantei-o do chão, tremiam-lhe as pernas,
Suas lágrimas, lindas, pareciam eternas!
"Este meu desencontro, chorarei toda a vida",
Disse, soluçando, falando da ferida.
Imaginei-lhe um vazio tão cheio de tudo,
Queria ajudá-lo, falar-lhe, sentia-me mudo...
Foi então que me disse que não estava triste,
Tinha descoberto apenas que o amor existe!
E falou devagar para eu perceber:
"Prometo amá-la enquanto viver!"
Os anos passaram sem pedir licença,
E eu ali estava, na sua presença.
No leito da morte tinha-me chamado.
Contive as lágrimas ao vê-lo deitado.
Esboçou um sorriso, ao ver-me chegar,
Sorri-lhe de volta mas queria chorar...
E a custo falou (era quase inaudível)
Mas fazia o esforço que lhe era possível:
"Prometi amá-la enquanto vivesse,
Nem que outra mulher meu amor quisesse!
Agora é a hora de eu te dizer,
Prometo amá-la depois de morrer!"
Caíram-me lágrimas, e só sabe Deus...
Eram as mesmas que caíam dos seus!
Então percebi, quando ele morreu,
Quem estava deitado, morto... era Eu!

21 comentários:

  1. Linda poesia, cheia de sensibilidade e com fim algo inesperado.
    Abracinho

    ResponderEliminar
  2. A POESIA TEM O SEU LADO MISTERIOSO ...E INTERESSANTE...ATÉ SURPREENDENTE...GOSTEI DETE LER

    ResponderEliminar
  3. Gemini esta tua poesia está surpreendente incluindo o final. Não sei comentar poesia mas sei que adorei esta. Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Bonito...na linha ténue da dureza e beleza...num cru que atrai...lindo.

    ResponderEliminar
  5. Como se comentam palavras assim? Não se comentam. Sentem-se.
    Feliz do coração capaz de descobrir e sentir esse amor, capaz de "de tudo o vazio encher".
    Lindo, Gemini.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. mais uma vez os teus versos me encantaram. tens um toque delicado com as palavras que me agrada muito. Doce, sensivel, real, bonito, muito bonito.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. É na concretização das coisas que damos conta de que elas existem mesmo. E que, na verdade, sempre nos foram importantes. Enquanto me vejo na morte, faço juras de amor... Muito bonito este teu poema. Até eu deixei cair uma lágrima. Arrepia, sim, mas acho que é nesse arrepio e nessa lágrima que reside toda a sua beleza.
    Parabéns!

    Bj*

    ResponderEliminar
  8. Olá Sonhadora!

    (S)em palavras te agradeço!
    ;)

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  9. Olá vóvó!

    E não serão assim tantos finais, inesperados...?

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  10. Olá Pedrasnuas!

    Tudo existe na poesia!
    Fico contente por teres gostado da minha escrita. Obrigado.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  11. Olá Brown Eyes!

    Mas comentaste bem, se te surpreendeu!
    No mais, alegra-me imenso saber que gostaste!

    Beijoca.

    ResponderEliminar
  12. Olá Checa!

    Chama-se Amor, essa ternura que falas!

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  13. Olá Eva!

    É como o Amor que não nos assiste, tem um qualquer encanto que nos prende...

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  14. olá free_soul!

    Pois é, por vezes o "duro" transporta tamanha beleza que nos sentimos impotentemente atraídos! Onde andará a "razão", nessas horas...?

    Beijinho

    ResponderEliminar
  15. Olá Nirvana!

    São meras palavras, que apenas a inteligentemente estúpida paixão dita! É o sentir que torna possível organizá-las desta forma!

    ;)))

    Obrigado, Nirvana.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  16. Olá meldevespas!

    O teu comentário toca-me o coração!

    Muito obrigado!

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  17. Olá Lala!

    Conseguiste ler-me e isso deixa-me realizado!

    Obrigado pelas tuas palavras!

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  18. Convite para ler

    O livro "Continuando assim...", foi maltratado...

    Resolvi por isso, e porque tanta gente não encontra o livro onde deveria estar (nas livrarias), recontar a história , lá no
    …. Continuando assim…

    Vamos em metade da história, o livro reescrito , não está igual (nem podia) ao que foi editado.
    Um obrigada especial a quem segue (pois só vale a pena assim).
    A quem chega de novo, umas boas vindas sinceras. E outro obrigada .

    Mais uma reflexão em relação a todo este assunto, e um conselho, se é que me é permitido:

    --- quando vos pedirem dinheiro para editar as vossas palavras, simplesmente digam que não ---
    Bj
    Teresa

    ResponderEliminar

A "ler" é que a gente se entende.